Movimentos Literários seus principais autores e sua ligação com a História
urs.bira@uol.com.br

Imprimir esta página Home page de Ubiratan Voltar à página anterior

Reforma Anglicana

A Reforma Protestante de Lutero causou reviravoltas religiosas praticamente em toda a Europa. As novas religiões, baseadas no princípio da livre interpretação bíblica, expandiram-se por todo o continente.

Uma delas, o anglicanismo, foi criada pelo rei inglês Henrique VIII. Durante o governo desse monarca (1509-1547), a burguesia exercia enorme pressão para que o aumento do poder do Parlamento fosse autorizado pelo monarca.

Com isso, os burgueses buscavam fortalecer sua presença na sociedade, o que apenas um Parlamento (formado por burgueses e senhores simpáticos a eles) forte poderia garantir. Caso conseguisse seu intento, a burguesia passaria a ter poder para legislar sobre as atividades comerciais e financeiras, diminuindo o poder da Igreja e do próprio rei.

Henrique VIII, para não ceder às pressões, necessitava angariar mais fundos para o Estado. Assim, confiscou bens da Igreja. Essa decisão enfureceu o papa, que ficou ainda mais abestalhado quando Henrique solicitou a anulação de seu casamento com a espanhola Catarina de Aragão.

Com o divórcio, o monarca pretendia impedir que a Inglaterra viesse a cair em mãos espanholas após sua morte, já que não possuía herdeiros masculinos com a princesa. A população britânica também apavorava-se com a idéia de um possível jugo espanhol sobre si e apoiou totalmente seu rei na questão com o papa.

Este último, contudo, emburrado com o confisco de riquezas, negou o pedido. Por seu lado, Henrique rompeu com o Vaticano e, alegando fidelidade aos princípios da Reforma, iniciou uma na Igreja inglesa.

Autocoroou-se chefe religioso e obrigou os líderes clericais do país a reconhecê-lo como tal, jurando-lhe fidelidade. Com a artimanha, conseguia não só calar o papa, como também livrava-se de Catarina.

Mais: assegurou a continuidade da soberania inglesa sobre seu próprio trono e, com a apropriação (agora legal, já que o rei era também chefe religioso) das riquezas da Igreja, financiou a Coroa, calando as pressões burguesas.

Em suma, porém, o anglicanismo não representou uma Reforma teórica de fato (como o foi o calvinismo, por exemplo).

Foi, isso sim, uma autêntica manobra política, sagaz e oportuna, que foi tão bem-sucedida que tornou-se uma religião de fato (embora muitos de seus preceitos sejam idênticos aos católicos) _ principalmente após 1563, com a publicação da Lei dos Trinta e Nove Artigos, onde se encontram todos os fundamentos da doutrina anglicana, pela rainha Elizabeth I.

Leia sobre a Reforma Luterana

Leia sobre a Reforma Calvinista

Leia sobre a Reforma e Contra-Reforma

Leia sobre a Reforma Protestante

Retorna

Fonte: •Enciclopédia Digital 99 • ( Literatura e Leitura )•