Movimentos Literários seus principais autores e sua ligação com a História
urs.bira@uol.com.br

Imprimir esta página Home page de Ubiratan Voltar à página anterior

Realismo - Naturalismo

Embora já existissem precursores do Realismo desde 1860, (Manuel Antônio de Almeida, com Memórias de um Sargento de Milícias, Martins Pena, Visconde de Taunay e Joaquim Manuel de Macedo (1820 - 1882)), o realismo brasileiro passou a manifestar-se mais incisivamente por volta de 1868.

Influenciada pelas idéias do realismo europeu, especialmente do francês e do alemão, a mocidade acadêmica do Recife e de São Paulo reage não só contra o romantismo decadente, como contra outros aspectos do passado cultural brasileiro.

No Recife, Tobias Barreto foi contra a filosofia espiritualista e católica, reunindo em seu redor a "Escola do Recife", com Sílvio Romero (1851-1914), Clóvis Bevilacqua, Capistrano de Abreu (1853-1927), Araripe Júnior e outros.

Em São Paulo, José Bonifácio foi contra a política do Imperador, cercando-se de elementos como Rui Barbosa, Joaquim Nabuco, Afonso Pena, Rodrigues Alves, entre outros.

No romance, o estilo realista fez-se presente nas figuras de Raul Pompéia, com o romance O Ateneu, e Machado de Assis, o grande nome da prosa no realismo literário brasileiro.

O conjunto de sua obra, em sua fase madura, apresenta reflexões acerca da mesquinhez do homem em suas ações mais cotidianas, mesquinhez esta arraigada a uma ideologia vazia da busca pela auto-glorificação.

Machado atacou por todos os lados o aristocrata burguês dos discursos portentosos e vazios, de liberalismo e cientificismo apenas aparente.

O escritor foi o responsável pela representação dos quadros da realidade brasileira de sua época, em que os valores liberais e progressistas, embasados em discursos cientificistas, caminhavam contraditoriamente ao lado dos valores escravocratas, obsoletos, mas ainda vigentes.


Leia também sobre o Realismo na Pintura
Retorna

Fonte: •Enciclopédia Digital 99 • ( Literatura e Leitura )•